O cego e a lanterna


Quando saía da casa de um amigo tarde da noite, um homem cego recebeu deste uma lanterna. O cego disse, surpreso:
"Sou cego. De que me vale levar uma lanterna?"
"Sei disso, mas como vais caminhar no escuro, a lanterna evitará que outras pessoas esbarrem em vós," disse o solícito amigo, acendendo a vela dentro da lanterna.
O homem partiu levantando a lanterna à sua frente. Confiante no fato de que ela evitaria acidentes com outras pessoas, ele caminhou sem medo ou relutância ao longo da estrada. Nunca ele se sentiu tão confiante, sabendo que a lanterna era um eficiente aviso de sua presença no caminho.
Entretanto, para sua completa surpresa, de repente alguém esbarra fortemente nele, que cai ao chão. Irritado com isso, o cego grita:
"Não podeis ver uma lanterna aproximando-se?! Com certeza és mais cego do que eu!!!!"
Mas o outro homem disse, confuso:
"Mas como eu poderia ter visto uma lanterna apagada nesta noite escura?!"
Todo aquele tempo o cego carregava a lanterna inutilmente, pois o vento tinha apagado a vela há muito...

"Ninguém, depois de acender uma candeia, a põe em lugar oculto, nem debaixo do alqueire, mas no velador, para que os que entram vejam a luz. A candeia do corpo são os olhos. Quando, pois, os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso; mas, quando forem maus, o teu corpo será tenebroso. Vê, então, que a luz que há em ti não sejam trevas. Se, pois, todo o teu corpo estiver iluminado, sem ter parte alguma em trevas, será inteiramente luminoso, como quando a candeia te alumia com o seu resplendor"
(Lucas 11:33-36)

A mente e o arco


Após ganhar vários torneios de Arco e Flecha, um jovem e arrogante campeão resolveu desafiar um mestre Zen que era renomado pela sua capacidade como arqueiro.

O jovem demonstrou grande proficiência técnica quando ele acertou, na primeira flecha lançada, um distante alvo bem na mosca, e ainda foi capaz de dividir a primeira flecha em duas com seu segundo tiro.

"Sim!", ele exclamou para o velho arqueiro, "Veja se pode fazer isso!"

Imperturbável, o mestre não preparou seu arco, mas em vez disso fez sinal para o jovem arqueiro segui-lo para a montanha acima.

Curioso sobre o que o velho estava tramando, o campeão seguiu-o para o alto, até que eles alcançaram um profundo abismo atravessado por uma frágil e pouco firme tábua de madeira. Calmamente caminhando sobre a insegura e certamente perigosa ponte, o velho mestre tomou uma larga árvore longínqua como alvo, esticou seu arco, e acertou um claro e direto tiro.

"Agora é sua vez," ele disse, enquanto suavemente voltava para o solo seguro.

Olhando com terror para dentro do abismo negro e aparentemente sem fim, o jovem não pôde forçar a si mesmo caminhar pela prancha, muito menos acertar um alvo de lá.

"Você tem muita perícia com seu arco," disse o mestre, percebendo a dificuldade de seu desafiante, "mas tem pouco equilíbrio com a mente, que deve nos deixar relaxados para mirar o alvo."



O jornal Folha Espírita de maio de 2011 traz uma revelação feita em 1986, pelo médium Francisco Cândido Xavier sobre o futuro reservado ao planeta Terra e a todos os seus habitantes nos próximos anos. A revelação foi feita a Geraldo Lemos Neto, fundador da Casa de Chico Xavier de Pedro Leopoldo (MG) e da Vinha de Luz Editora, mas somente agora ele resolveu falar.

O "engraçado" é que eu no começo da leitura não botei muita fé nessa "profecia", mas enquanto lia fui ficando muito sério. Isso porque as partes que marquei em negrito batem EXATAMENTE com o que Oráculo havia nos falado nas últimas décadas. Muito do que ela falou eu compartilhei em posts e comentários no blog antigo (os comentário se perderam para sempre, mas algumas pessoas ainda lembram de eu falar sobre a vinda de refugiados vindo para o Brasil, não é mesmo?). Os posts ainda estão por aí, ou ainda serão publicados (um deles, de 2004, foi publicado agora, que fala de futuros equipamentos pra se comunicar com o mundo dos mortos). E muito do que ela dizia já era pra ter acontecido, por volta do fim do milênio e começo da década, mas não aconteceu por motivos que nem ela sabia.

Este é um resumo dos pontos interessantes do texto. A íntegra pode ser lida no exemplar nº 439, ano XXXV, de maio de 2011 do jornal Folha Espírita:

"Há muito tempo carrego este fardo comigo e sempre me preocupei no sentido de que Chico Xavier não me falaria tudo o que relato nesta edição da Folha Espírita à toa, senão com uma finalidade específica. Na ocasião da conversa que descrevo nas páginas seguintes, senti que mi'nha mente estava recebendo um tratamento mnemônico diferente para que não viesse a esquecer aquelas palavras proféticas, e que, em momento oportuno do futuro, eu seria chamado a testemunhá-las.

Tive a felicidade de conviver na intimidade com Chico Xavier, dialogando com ele vezes sem conta, madrugada a dentro, sobre variados assuntos de nossos interesses comuns, notadamente sobre esclarecimentos palpitantes acerca da Doutrina dos Espíritos e do Evangelho de Jesus. Um desses temas foi em relação ao Apocalipse, do Novo Testamento. Desde então, em nossos colóquios, Chico Xavier tinha sempre uma ou outra palavra esclarecedora sobre o assunto, pontuando esse ou aquele versículo e fazendo-me compreender, aos poucos, o momento de transição pelo qual passa o nosso orbe planetário, a caminho da regeneração."

Numa dessas conversas, lembrando o livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, escrito pelo espírito Humberto de Campos, Lemos Neto externou ao Chico sua dúvida quanto ao título do livro, uma vez que ainda naquela ocasião, em meados da década de 80, o Brasil vivia às voltas com a hiperinflação, a miséria, a fome, as grandes disparidades sociais, o descontrole político e econômico, sem falar nos escândalos de corrupção e no atraso cultural.

"Lembro-me, como hoje, a expressão surpresa do Chico me respondendo: 'Ora, Geraldinho, você está querendo privilégios para a Pátria do Evangelho, quando o fundador do Evangelho, que é Nosso Senhor Jesus Cristo, viveu na pobreza, cercado de doentes e necessitados de toda ordem, experimentou toda a sorte de vicissitudes e perseguições para ser supliciado quase abandonado pelos seus amigos mais próximos e morrer crucificado entre dois ladrões? Não nos esqueçamos de que o fundador do Evangelho atravessou toda sorte de provações, padeceu o martírio da cruz, mas depois ele largou a cruz e ressuscitou para a Vida Imortal! Isso deve servir de roteiro para a Pátria do Evangelho. Um dia haveremos de ressuscitar das cinzas de nosso próprio sacrifício para demonstrar ao mundo inteiro a imortalidade gloriosa!'

Na seqüência da nossa conversa, perguntei ao Chico o que ele queria exatamente dizer a respeito do sacrifício do Brasil. Estaria ele a prever o futuro de nossa nação e do mundo? Chico pensou um pouco, como se estivesse vislumbrando cenas distantes e, depois de algum tempo, retornou para dizer-nos: 'Você se lembra, Geraldinho, do livro de Emmanuel A Caminho da Luz? Nas páginas finais da narrativa, no cap. XXIV, cujo título é O Espiritismo e as Grandes Transições, nele Emmanuel afirmara que os espíritos abnegados e esclarecidos falavam de uma nova reunião da comunidade das potências angélicas do Sistema Solar, da qual é Jesus um dos membros divinos, e que a sociedade celeste se reuniria pela terceira vez na atmosfera terrestre, desde que o Cristo recebeu a sagrada missão de redimir a nossa humanidade, para, enfim, decidir novamente sobre os destinos do nosso mundo.

Pois então, Emmanuel escreveu isso nos idos de 1938 e estou informado que essa reunião de fato já ocorreu. Ela se deu quando o homem finalmente ingressou na comunidade planetária, deixando o solo do mundo terrestre para pisar pela primeira vez o solo lunar. O homem, por seu próprio esforço, conquistou o direito e a possibilidade de viajar até a Lua, fato que se materializou em 20 de julho de 1969. Naquela ocasião, o Governador Espiritual da Terra, que é Nosso Senhor Jesus Cristo, ouvindo o apelo de outros seres angelicais de nosso Sistema Solar, convocara uma reunião destinada a deliberar sobre o futuro de nosso planeta. O que posso lhe dizer, Geraldinho, é que depois de muitos diálogos e debates entre eles foram dadas diversas sugestões e, ao final do celeste conclave, a bondade de Jesus decidiu conceder uma última chance à comunidade terráquea, uma última moratória para a atual civilização no planeta Terra. Todas as injunções cármicas previstas para acontecerem ao final do século XX foram então suspensas, pela Misericórdia dos Céus, para que o nosso mundo tivesse uma última chance de progresso moral.

O curioso é que nós vamos reconhecer nos Evangelhos e no Apocalipse exatamente este período atual, em que estamos vivendo, como a undécima hora ou a hora derradeira, ou mesmo a chamada última hora.'

Continuação da Leitura

A Revolução Interior

Uma mensagem de Aluna http://www.alunajoy.com/, 14 de Fevereiro de 2011




A vida tem sido uma enorme montanha-russa nestas últimas semanas. Estamos a sentir e a testemunhar uma revolução interior da dualidade. Os nossos mundos externos e internos estão a transformar-se diante dos nossos olhos. Posso sentir a luz a inundar o coletivo a um tal ritmo que mal consigo conter-me a mim própria. Hoje o mundo está a começar a re-nascer. Pode ser um pouco prematuro dizer isto…mas crianças… nós conseguimos! O primeiro dominó caiu, impulsionando não apenas um “efeito em cadeia”, mas uma avalanche para um mundo novo onde as massas vão ser unificadas e cada um será honrado. Liberdade, verdade e integridade, amor e paz estão a cair nesta nova dimensão emergente, e todos vamos ser uma parte da história na sua construção. Este é um tão fantástico tempo para caminharmos nesta terra. Esperamos por isto durante muito tempo.

É claro que o meu entusiasmo e satisfação vêm das recentes boas notícias do Egito a conseguir a sua liberdade em apenas 18 curtos dias. Estou absolutamente incrédula com o poder que um coletivo unido pode fazer. Estamos a elevar-nos para um campo de recreio superior, enquanto os eventos atuais nos mostram que podemos realizar em pouco tempo se, simplesmente, nos unirmos num objetivo comum. Devido a estes acontecimentos recentes, sinto-me ainda MAIS certa de que a nossa transição pacífica para um mundo novo maravilhoso está em curso. Tivemos o nosso maior exemplo de que isto é verdade.

Nós ganhamos a nossa renascença, o re-nascer, a regeneração e o re-despertar. Este novo dia foi possível porque muitos indivíduos corajosos o foram antes de nós na luta pelo amor, pela paz, pela verdade, pelos direitos humanos e pela igualdade. A minha pequena lista de heróis… Mahatma Gandhi, Martin Luther King, a Madre Teresa, Jesus, os Beatles… mesmo o Woodsotck e todo o poder das flores dos hippies 1! Agora tenho de adicionar à lista crescente… um jovem empregado do Google que, equipado com meios de comunicação social, catalisou a versão do Egito do Muro de Berlim. Todos nós sabemos que, nem mesmo um regime bem arraigado e estabelecido da escuridão, pode ter controlo sobre nós. A liberdade é possível para um e para todos. Os acontecimentos destes últimos 18 dias pareceram como o Gandhi com esteróides. Ele estaria tão orgulhoso. Foi espetacular.

Coragem não é a ausência de medo, mas antes a decisão de que alguma coisa é mais importante do que o medo. – Ambrose Redmoon

Enquanto esta revolução pacífica se passava no Egito, tenho que admitir que uma revolução interior não tão pacífica se passava dentro de mim. Uma revolução começou a acordar algo dentro de mim. Estava a aproveitar um retiro há muito em atraso, contudo o meu corpo tinha enormes ataques de pânico. Sentia-me agitada, o meu peito doía, o meu coração estava acelerado, não conseguia dormir e estava perturbada. Senti que ia perder isto.

Paralelamente ao pânico horrível que estava a sentir, eu sentia também uma profunda calma… quase demasiada calma. Estava confusa, como é que o meu corpo podia estar a reagir de uma maneira e o meu espírito/alma de outra. No meio da noite … deitada sem dormir de novo, eu tive uma revelação. Lembrei-me de algo que já sabia, apenas me lembrei. Este pânico era a energia primitiva de sobrevivência do meu código genético, o ADN, e os programas deste corpo mortal. No lado completamente oposto disto estava o meu eu superior eterno que vive na intemporalidade e sabe que TUDO ESTÁ, e vai ESTAR, bem. Isto foi o mais claro que eu alguma vez senti o meu eu superior.

Sei que, se eu sinto isto agora, então muitos de vós também o sentem visto estarmos todos conectados, quer gostemos ou não. O que acontece a um acontece a todos em algum nível. Esta revolução interior tem sido fundamental para nos ajudar a entrar em contacto com os nossos pólos opostos. Agora que estamos a ficar mais esclarecidos acerca da luz dentro de nós, estamos também a ver o escuro ego a dissolver-se, pontapeando e gritando o caminho todo. Trata-se do fim do nosso escuro regime interno! Que bom que é isto! Agora temos a capacidade de fazer escolhas melhores… escolhas a partir do amor e da confiança em vez de a partir do medo e do ódio. Eu escolho viver a partir do meu eu superior. Hei, eu quero sentir-me bem, segura e feliz. Não o quereis? Viver a partir do eu superior é, certamente, mais confortável e livre e stress. O eu superior é como o tranquilo lugar pacífico no centro da tempestade, um retiro tranquilo para onde podemos ir a qualquer hora… ou ainda melhor, podemos ficar lá 24/7!

À medida que aprendemos a crescer através desta revolução interior, vamos precisar de nos apoiarmos uns aos outros. Será importante permitir a todos a sua forma pessoal única de lidar com a sua revolução interna. É fácil deixar que o medo fale através de nós nestes momentos, em vez do amor nos nossos corações. Assim, precisamos de nos perdoar a nós mesmos quando ficamos aquém do que esperamos nas nossas expectativas espirituais. Espero que nós todos possamos ser tão autênticos e reais quanto possível, em vez de tentarmos sempre ser perfeitamente espirituais. Afinal de contas, somos seres espirituais a ter uma experiência humana. Cada um de nós tem uma forma diferente de aprender, de compreender e de despertar, mas temos o mesmo destino. Assim, não meteis tudo num saco, se o medo vos dominar por algum tempo. Trata-se de um processo humano e parte do processo normal do despertar. É o cataclismo que nos ajuda a acordar. Eu não posso ajudar senão sentir a amplitude da importância desta revolução interna e externa e o que temos aprendido e vamos aprender com ela. Vai ser fundamentalmente importante, à medida que o mundo novo (e o Egito) se transforma à nossa volta nos anos que se seguem.

Direitos de Autor 2010 – É concedida permissão para copiar e distribuir este artigo na condição de que o seu conteúdo seja mantido completo, os créditos sejam atribuídos plenamente ao(s) autor(s) e que seja distribuído livremente. CENTRO DO SOL – Aluna Joy Yaxk’in, PO Box 1988 Sedona, AZ 86339 USA Ph: 982-282-6292 Ph/Fax: 928-282-4622 – Email: alunajoy@1spirit.com.website: http://www.alunajoy.com/

P.S.: Nós partimos para o Egito dentro de 3 semanas. Eu perdi a maior parte dos anos 60, o Woodstock e o Muro de Berlim. Não vou perder isto. O engraçado é que eu sabia que iria voltar a um novo Egito … mas, na altura em que organizei a nossa peregrinação ao Egito, não sabia o que isso queria dizer até às duas últimas semanas.


1 - Flower Power (Força das Flores) foi um slogan usado pelos hippies dos anos 60 até o começo dos anos 70 como um símbolo da ideologia da não-violência e de repúdio à Guerra do Vietname.

Tradução: Ana Tavares Belo – anatbelo@hotmail.com
Fonte: sipiritlibrary

sim, nós somos humanos

Sim, nós somos Humanos



Divinamente Humanos



Humanamente Divinos



Travamos nossas batalhas pessoais com nosso Ego



Enfrentamos nossos desafios



Vivemos nossos romances ou nossos dramas



Encarnados em personagens


Entre: Fadasan Anjo de Luz

Contact

Instagram

Postagem em destaque

Como criar o hábito de guardar dinheiro?